domingo, 29 de junho de 2014

dica: como conservar livros e quadrinhos



Olá, hoje vim compartilhar com vocês essa dica muito valiosa! ♥♥♥♥♥♥♥

segunda-feira, 16 de junho de 2014

Filme: A lenda do Santuário





Não sei vocês, mas eu vibrei com a notícia! Está previsto para dia 11 de setembro (um dia depois do meu aniversário *_* baita presente) a estreia (no Japão T__T) do novo filme em 3D dos Cavaleiros do Zodíaco. Eu estou empolgada pelo filme, porque, pelo que pode-se ver dos trailers, ele possui altíssima qualidade, e foi muito bem trabalhado nos detalhes. *_* Segundo a fonte, o filme tratá a famosa história do arco do Santuário, conforme o título mesmo já sugere. :3 E, claro, como é uma adaptação, eles terão que reduzir os não sei quantos episódios para caber em um único filme! Mas o criador da série faz parte da supervisão, então, deve estar tudo ok. Ou não. hehe. Só sei que estou louca pra ver! *O*

domingo, 15 de junho de 2014

Livro: A Garota que eu quero






Ahh, finalmente consegui ler mais um livro, este ano. Infelizmente li poucos no ano passado, e acho que não vou terminar esse ano com a meta que eu queria... Bom, de qualquer forma, tenho poucos comentários sobre esse. Para quem não conhece a sinopse, aqui vai:


O Rube nunca amou nenhuma delas. Nunca se importou com elas. Nem é preciso dizer que Rube e eu não somos muito parecidos em matéria de mulher. Cameron Wolfe é o caçula de três irmãos, e o mais quieto da família. Não é nada parecido com Steve, o irmão mais velho e astro do futebol, nem com Rube, o do meio, cheio de charme e coragem e que a cada semana está com uma garota nova. Cameron daria tudo para se aproximar de uma garota daquelas, para amá-la e tratá-la bem, e gosta especialmente da mais recente namorada de Rube, Octavia, com suas ideias brilhantes e olhos verde-mar. Cameron e Rube sempre foram leais um com o outro, mas isso é colocado à prova quando Cam se apaixona por Octavia. Mas por que alguém como ela se interessaria por um perdedor como ele? Octavia, porém, sabe que Cameron é mais interessante do que pensa. Talvez ele tenha algo a dizer, e talvez suas palavras mudem tudo: as vitórias, os amores, as derrotas, a família Wolfe e até ele mesmo.


Não sei se mais alguém aqui já leu O Azarão, também do mesmo autor, que, por sinal, também é autor do bestseller A menina que roubava livros (este, ainda não li). Enfim, eu li O Azarão primeiro, de modo que foi bem tranquilo ler A garota que eu quero, porque relata algumas confissões do mesmo personagem. Aliás, eu senti um certo nível de repetição de ideias. Teve várias passagens no livro que eu pensava "mas isso, eu já li antes". Pelo menos, no início...


Outro ponto que eu gostaria de comentar é sobre a similaridade na escrita com o falecido escritor Charles Bukowski. Sou fã dele, e achei a escrita do Markus muito parecida neste livro. No Azarão, não me lembro de ter reparado nisso, mas neste, sim. Não cheguei a pesquisar sobre o assunto, se o Markus já falou alguma vez sobre suas influências, mas, enfim, é apenas algo que eu queria comentar aqui também. Porque os livros do Bukowski sempre trazem a podridão da sociedade, e o Markus, com um pouco de liguagem mais bonita, mais poética, tenta fazer o mesmo — embora que aqui, ele direciona essa "podridão" para a família do personagem. De maneira beeem amena, mas consigo relacionar os autores. Mas "A garota que eu quero" é super leve, tem esse "q" de poesia, é gostoso de ler. Cameron é um rapaz sensível, no sentido de que percebe as coisas que acontece ao seu redor, e não trata a vida com indiferença. Ele nota a noite, ele nota o silêncio, ele nota as pessoas. E, principalmente, ele nota sua família (pobre, com alguns problemas, mas muito unida). Talvez algumas pessoas possam se desestimular um tanto com o título, porque nos dá a impressão de ser mais um romance adolescente, e ele não é. Quero dizer, há o romance, sim, mas acho que o livro é sobre a essência desse personagem, o Cam, que passa o tempo todo se achando uma droga, vivendo nesse mundo de merda, que, no fim, conquista a admiração de todos. Inclusive, ele passa a ser ver de modo diferente. A Octavia é importante na trama, porque ela é parte da razão pela qual ele começa a se ver dessa nova forma. Porque, aliás, ela é quem primeiro o vê, o compreende. A única coisa que realmente achei meio "sem graça" foi o fato do autor ter criado toda uma expectativa com relação à família da guria, dizendo que o Rube nunca tinha entrado em sua casa, e ela nunca convidava ninguém para entrar lá, e no final do livro, o Cam entra, e não há nada demais. Achei isso meio sem sentido.... Mas de resto, dou nota 10 pelo livro! :) Eu o recomendo, assim como O Azarão também. Lembrando que um não exige a leitura do outro, para o seu entendimento. ;)
© 2016 BIAREYS.COM.BR ALL RIGHTS RESERVED. Tecnologia do Blogger.
© Bia Reys
Maira Gall