quinta-feira, 5 de abril de 2012

Filme: Jogos Vorazes





Titulo Original: The Hunger Games
Gênero: Ação, Drama, Ficção Científica e Suspense
Duração: 140 min.
Origem: Estados Unidos
Direção: Gary Ross
Roteiro: Suzanne Collins e Gary Ross
Elenco:
Ano: 2012


Sinopse: O filme contará a história de um futuro distópico, não muito distante, em que a Capital, anteriormente conhecida como a América do Norte, é dividida em 12 distritos que precisam pagar tributos de um forma brutal. Um casal de adolescentes é forçado a participar dos Jogos Vorazes, e precisará lutar até a morte, em transmissão ao vivo pela televisão. A trama é centrada em Katniss, adolescente de 16 anos que vai para o reality show no lugar de sua irmã Primrose, sorteada pelo distrito 12 para a 74ª edição. Que os Jogos Vorazes comecem!

O marketing que fizeram em cima dessa obra (livros e filme) foi tanto que fiquei zonza. Fiquei louca de vontade pra comprar os livros. E então, nesta quinta, eis que fui ao shopping com o namorado e resolvemos ver o bendito filme. Eu tinha lido antes algumas criticas escritas por esses blogs literários a respeito do filme e livro e, ao que tudo indicava, parecia ser maravilhoso.

Enfim, sentamos nos bancos, quase em frente a tela. Meu namorado comprou um combo de pipoca mais coca-cola, e ainda ganhamos uma garrafa com a marca do filme.

E antes mesmo da metade, já tinha gente deixando a sala...

Pois é. Foi triste. Tanta propaganda à toa. As estatísticas dizem que ele ultrapassou a venda de ingressos do Crepúsculo, mas não dizem quantos ficaram até o final, como na obra da Stephen Meyer. Mas não me entendam mal!, não estou criticando a obra literária. Até mesmo porque não li. E ainda quero ler.

O filme começa apresentando a personagem principal, e o lugar onde ela vive com sua mãe e irmã. Um cenário que lembra algo meio pós-guerra, onde se vê miséria e pobreza. E então a trama vai se desenrolando de uma maneira muito rápida, sem muitas explicações. Aparecem cenas de terror, guerra, mortes. As pessoas parecem estar exiladas naquele local, vigiados por homens em roupas que lembram aquelas vestes de médicos em quarentena. Como se as pessoas fossem leprosas. E, então, aparecem gente rica, de classe alta, dominante. E de fato, é o que eles fazem; eles dominam sobre os pobres.

E então o jogo está para começar. A protagonista (é claro) se voluntaria a participar, trocando de lugar com sua irmã que foi escolhida. Ela faz parte de um dos Distritos — que são lugares isolados, onde pessoas pobres foram salvas de alguma guerra e são mantidas parcamente pelos mais afortunados. Essas pessoas servem de tributo para a grande classe. Pelo que entendi, o vencedor se torna o tributo — pois será aquele que trará mais lucro para a instituição encarregada de dar as regras.

O jogo, por sua vez, é assistido por todos os cidadãos. Mas somente quando os participantes se locomovem para o local onde o jogo será executado é que entendemos que há essa divisão de classes. Enquanto uma parte do estado é populado pelos pobres na miséria, o outro lado esbanja futilidades e soberba.

Enfim, acho que há uma critica clara da sociedade atual, em que os ricos podem tudo e os pobres se ralam nesse meio. E ninguém da classe superior parece se importar com qualquer coisa.

O filme ainda aborda superficialmente a questão da fixação pela perfeição humana e preocupação com estética naquela cena em que a Katniss é jogada numa espécie de salão de beleza para ser apresentada ao público. Todos estão impecavelmente bem vestidos (de acordo com a moda ditada na época). A diferença entre as vestimentas das pessoas que vivem do Distrito, é estupidamente berrante em comparação à da "alta sociedade". Mas como disse, tudo é apresentado ao espectador de uma maneira muito superficial. Senti que houve a intenção, mas não a exploração.

E qualquer semelhança com reality shows não é mera coincidência. Vemos mais uma critica sobre a exploração do sofrimento humano a um público vazio e consumista. Eles querem audiência para o show, e pouco se importam com o que está acontecendo aos participantes. O que importa é emocionar e cativar o público. A falta de humanidade nas pessoas de classe alta é claramente visível, quando assistem aos jovens matarem uns aos outros pela sobrevivência. Pois só haverá um vencedor, dentre vinte e quatro participantes. E então, vemos sucessivos abatimentos feito à sangue frio. Alguns matam por medo, outros por prazer.

Para os fãs de sangue, uma notícia ruim: há poucas cenas sanguinolentas. As mortes acontecem muito rápidas, em golpes simples. E a ação é sempre intercalada entre cenas de drama. Mas quando elas aparecem, vêm com tudo. Esse é o ponto mais positivo que dou ao filme. Houve uma cena em que senti meu coração bater mais forte! Hehe. Juro! Fiquei muito ansiosa mesmo.

Mas, voltando à questão do reality, é interessante notar como eles mostram a manipulação que há "por trás das câmeras" para tornar tudo muito mais apelativo ao público.

Até aí, eu achei que seria um filme mais sério, feito de criticas e dramas pessoais. A personagem parece sofrer muito com o que está acontecendo. Mas depois que começaram a introduzir as cenas românticas entre a Katniss e o Peeta, achei que eles cagaram ainda mais com tudo. O filme ficou apelativo, algo muito "filminho pra adolescente besta". Subestimaram os jovens.

Bom, depois de saber que os Americanos não consomem literatura estrangeira por que é reflexiva demais, isso não me surpreende. Por isso, também, os filmes Hollywoodianos seguem sempre a mesma linha. Em grande maioria.

Mas apesar da decepção com as cenas pseudo românticas, tive ainda mais interesse pelos livros. Tenho certeza de que o par romântico na trilogia é mais cativante e melhor desenvolvido... (fã de romances, oi?). Só achei que no filme não pegou muito bem.

Fiquei com pena da Jennifer Lawrence. Eu vi Inverno da Alma, protagonizado por ela. A guria estava divina no filme, mas aqui, em Jogos Vorazes, achei muito fraca. Não a deixaram expor todo o seu potencial. E sem comentários para o Lenny Kravitz. Pô! Dei um pulo na cadeira quando o vi. Eu sabia que havia nomes de peso na película (como o Donald Sutherland), mas não tinha ouvido falar nele... ou, talvez, me escapou da percepção. O cara é ótimo músico e compositor, mas como ator... um cocôzão! E o personagem dele era importante! Ele representa a minoria da classe alta que tem sensibilidade, e reconhecimento sobre o que está acontecendo! Achei uma falha tremenda terem posto ele neste papel.

Com exceção do Donald, entres uns e outros, achei a atuação meio medíocre dos protagonistas. Mas adorei Stanley Tucci no papel de apresentador sensacionalista; ele foi ótimo. Woody Harrelson também foi um ótimo bêbado — uma das coisas mais difíceis que tem para interpretar! Tanto que muitos atores chegam a ir bêbados para a cena, a fim de tornar a coisa mais verossímil.

No resto, digo que a trama foi mal contada, e a falta de aprofundamento em questões mais importantes enfraqueceram o enredo. Além disso, os clichês estavam todos lá: a heroína, o mártir, o conquistador, o machão, o idiota que morre fácil, até mesmo a morte de olhos abertos com alguém do lado para fechá-los, e um amuleto da sorte. Contudo, aplausos para o figurino — achei um máximo, muito bem fantasioso. Eles deram um toque muito especial ao filme, em minha opinião. E talvez foi justamente isso que mais tenha assustado aos não leitores da obra literária, (e os menos atentos aos detalhes). O contraste, para quem via a trama de fora sem conhecimento sobre o que há nos livros, pareceu meio superficial, besta, idiota, sem sentindo... Até em mim ficou essa sensação de estranheza. Mas tenho certeza de que os livros devem ser MUITO melhores e mais convincentes.

Bom, como eu disse, muita gente saiu da sala antes mesmo da metade do filme. Para quem não leu a trilogia, o filme foi um grande esforço de insistir em ficar sentado até o final. Muito, mas muito mal escrito, mal contextualizado. Achei que o filme seria sobre o combate contra fome, mas isso é o que menos fica marcado. Achei que seria algo no estilo daquele reality Suvivor (acho que é esse o nome) onde os participantes comem o que tiverem. Insetos e animais crus, e toda essa nojeira. Mas é completamente diferente.

Mas ele deixa uma dúvida interessante no espectador: afinal, eles têm fome pelo quê? Me parece que o título é referente ao público do show, famintos por drama e dinheiro.

5 comentários

  1. Ehhhhhhhh! Fiquei realmente esperando você comentar Jogos Vorazes e você não me decepciona.u.u
    Fiquei muito triste com o filme, bem mais do que você por ter lido os livros. Tiraram tanta coisa, modificaram tanta coisa que deu vontade de chorar na sala de cinema e eu ainda paguei para ir na estreia para sentir um pouco desapontada não totalmente. É,leia os livros que voce se surpreende e entende muito mais.Adoro suas criticas s2
    Kissus Ja ne

    ResponderExcluir
  2. ahhh, pode deixar que ja estou planejando subornar minha mãe para me dar os livros!!!! uiahuiahaui eu bem que suspeitei que o filme não fizesse jus à trilogia...normal. Adaptações nunca superam as expectativas mesmo ¬¬ mas estou louquinha pelos livros T__T

    nhaaa *O* que bom saber que alguém lê minhas pseudo-resenhas T___T
    bjss :**************

    ResponderExcluir
  3. Sabe, eu vi o lado 'romântico' do filme dessa forma: Ela começou a apelar pra não ficar 'feio' na frente das câmeras (não lembro das cenas e da minha opinião formada sobre na hora), mas lembro que o romance foi tão forçado e foi tão rápido que na hora pensei que Kat realmente estava fazendo aquilo pra ganhar patrocinadores, porque tipo, foi de uma hora pra outra, sabe? Tanto que no final do filme, quando eles saem da frente das câmeras e estão voltando pra casa, Katniss ficou fria com o gurizinho (que eu esqueci o nome). E até antes, na entrevista que fizeram depois que eles sairam, Katniss estava fazendo uma total encenação (na minha humilde opinião). Não sei quantas vezes assistiu o filme, mas se pudesse assistir com essa ideia, assista. HSOAHSOAHAOH Além do mais, em novembro tem 'Em Chamas' pra gente saber se ela vai continuar com o carinha ou não. k

    ResponderExcluir
  4. ahhh acho que sei do que tu está falando... Eu vou rever o filme antes de ver a sequência... mas realmente, é estranho, por que, se não me engano, no inicio do filme ela dá a entender que gostava do outro carinha que ficou de fora. E dai de repente ela cai de amores pelo outro! ¬¬ Talvez tenha sido isso mesmo. Ela apenas estava fazendo a sua "jogada" com o Peeta. Boa observação mesmo!

    ResponderExcluir

Agradeço aos que reservarem um tempinho para comentar! ♥
Ah!, se tiver alguma sugestão de post ou quiser mandar alguma dúvida, ou qualquer mensagem, vou amar receber *-*

© 2016 BIAREYS.COM.BR ALL RIGHTS RESERVED. Tecnologia do Blogger.
© Bia Reys: ilustrações
Maira Gall