Livro: Dezessete Luas




Sinopse: Ethan e Lena podem enfrentar qualquer coisa. Ao menos era assim que funcionava antes de Lena sofrer uma perda trágica e começar a se afastar, a guardar segredos que começam a testar o relacionamento dos dois. E agora que Ethan abriu os olhos para o lado negro de Gatlin, não há como voltar atrás. Assombrado por estranhas visões, Ethan vai se envolvendo cada vez com a história da cidade, com a sua história e, consequentemente, com o destino de Lena.

O site da Saraiva ainda traz a informação de que a Warner Bros já comprou os direitos de adaptação da série Beautiful Creatures para o cinema. Bestseller do NewYork Times, do USA Today, do Publishers Weekly e livro do ano da Amazon em 2009. O primeiro livro da série foi publicado em 39 países e traduzido para 28 línguas. Ual.

Esse livro foi mais denso que o primeiro — as coisas parecia se rastejar mais para acontecerem. Senti que houve muita descrição e pouca ação. Entretanto, dou pontos para as situações que foram mais diferentes do esperado.

O início dele foi legal, fluiu tranquilo, mas antes mesmo de chegar à metade comecei a me rastejar para ler ele. Os choramingos do Ethan continuaram, e o que foi pior: repetitivos. Teve horas que tive vontade de jogar o livro pela janela. MENINOS NÃO TÃO SENTIMENTAIS QUANTO AS MENINAS. PRINCIPALMENTE OS ADOLESCENTES! Ele parecia uma menininha, reclamando de tudo.

Mas continuei a leitura por que as situações que apareceram foram novidade para mim. Adorei a cena da feira de tortas. Além disso, houve a inclusão de mais personagens, que tornou a coisa bem mais interessante. Principalmente a de John.

Neste segundo livro, muitas coisas foram esclarecidas. Ficamos sabendo mais sobre a mãe de Ethan, Macon, Amma, e as tias do Ethan. Isso foi muito bom, embora me pergunto o que será do terceiro... E o que foi melhor de tudo? A volta do Malcon! :D Mas a volta dele, no entanto, foi meio sem graça. Ele me pareceu ter perdido um pouco da personalidade que tinha no primeiro livro. Entendo que ele mudou de time (em parte, pelo menos. Quem leu, deve entender sobre o que estou falando), mas acho que isso não justifica a perda da personalidade dele...

Enfim, meu casal favorito foi Link e Ridley. Eles são perfeitos! XD Apesar do final ter me dado calafrios... Ok, não foi pra tanto. Mas fiquei com o gosto de "quero saber o que vai acontecer". (Note que não disse: gosto de quero mais...). No livro, no final, Ethan fala sobre uma conexão que sentia com Liv (uma das novas personagens que foram introduzidas). Mas durante o livro, em momento algum, senti essa conexão entre eles. Achei isso muito superficial.

Nessa segunda edição, senti também aquele ingrediente que muitos autores parecem estar acrescentando aos livros do gênero. "Tenho os melhores amigos do mundo!" Achei meio desnecessário, digamos assim. A maldição era dos dois, achei que não era preciso incluir mais gente nisso... Mas o que aconteceu com o link, me agradou muito. Lembrei da série Os Instrumentos Mortais, quando Simon foi transformado. :) Sem mencionar o destino cruel que Ridley teve. Adorei também!

Ah, outra coisa que me irritou profundamente foi a Lena. Bha! Que guria chata. Ela se jogou de cabeça, com tudo, no fundo do poços das próprias amarguras, sentindo culpa pelo que aconteceu com Malcon. Até aí, tudo bem, era compreensível. Só que ela passou, praticamente, o livro inteiro assim! Sempre choramingando "Eu não sou luz, eu não sou trevas, eu não sou nada!" nhenhenhenhe... ¬¬ Ela foi a típica adolescente mimada que não sabia o que queria, o que fazer, e dependia dos outros para tomar suas decisões. Mas o que aconteceu com ela, no final, me agradou também.

Só achei que aquela estória de bruxaria, que o livro parecia propor no primeiro volume, se perdeu completamente. Não vi bruxaria alguma acontecer. Houve manifestações sobrenaturais, mas nada realmente relacionado à típica bruxaria (humanos que sabem fazer feitiços). Ok, houve aquela "conjurações" em que eles falavam palavras bonitas em latim, mas sei lá. Achei fraco, pouco convincente, no meu ponto de visto. Acho que as autoras quiseram criar um novo tipo de bruxos, como a Stephenie Meyer criou vampiros purpurinados, e criaram essa coisa de bruxos sobrenaturais, que não tem nada a ver com a crença popular. Mas tudo bem, dou colher de chá por que é ficção, e se alguém quiser transformar um cavalo em fada é "aceitável". ¬¬

Mas também não entendi o título da série "Beautiful Creatures" (ou Belas Criaturas, traduzindo literalmente). Não achei que ambos os volumes dessem essa sensação de beleza sobrenatural nas personagens. Pelas descrições, todos me pareceram medianos, sem nada demais. Eram bonitos, quero dizer, mas nada fora do normal. Em "Nascida à meia noite", a autora enfatizava bem a beleza das personagens, mas aqui não houve isso...

Bom, eu esperava muito mais do livro, e não sei se vou comprar o terceiro, quando sair... Mas leiam, e tirem suas próprias conclusões. :) Sei que muita gente está caindo de quatro pela série. Acho que eu fui a única a criticar negativamente os livros... :S

Comentários

Postagens mais visitadas